Escola Voar

domingo, 24 de maio de 2015

Rastreio da Vela Solar LIGHTSAIL-1 sobre Oliveira-mg, captura de agora.


Avião com Angélica e Luciano Huck faz pouso forçado em MS

Bimotor levava 9 pessoas: filhos, babás e tripulação também não se feriram.
Incidente ocorreu perto da rodovia MS-080, a 30km de Campo Grande.

Graziela Rezende Do G1 MS
Avião que fez pouso forçado em fazenda levava Angélica, Hulck, filhos e babás. (Foto: Walter Barbosa)Avião que fez pouso forçado em fazenda levava Angélica, Huck, filhos e babás. (Foto: Walter Barbosa)
Uma aeronave de pequeno porte fez um pouso forçado na manhã deste domingo (24) na área de uma fazenda a cerca de 30 km de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.
Estavam no bimotor o casal de apresentadores Angélica e Luciano Huck, acompanhado dos três filhos e de duas babás. A tripulação era composta por um piloto e um copiloto.
Segundo a assessoria da Santa Casa de Campo Grande, Angélica sofreu escoriações. Todos passam bem e foram submetidos a exames. A família deve seguir ainda neste domingo para São Paulo.

Angélica está com equipe no Pantanal de Mato Grosso do Sul para gravar temporada especial do Programa Estrelas (veja fotos e leia mais abaixo).
Angélica mostra o look do primeiro dia de gravações (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)Angélica mostra o look do primeiro dia de gravações (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)

COMO FOI O ACIDENTE
De acordo com o Corpo de Bombeiros e com a Aeronáutica, o pouso forçado ocorreu em uma propriedade nas imediações da rodovia MS-080, na saída para a cidade de Rochedo.

A aeronave tinha decolado de Estância Caimam, em Miranda, perto de Bonito, e seguia para Campo Grande.
Perto da aproximação para o pouso, às 10h52, o piloto avisou à Torre de Controle em Campo Grande que estava em situação de emergência e que faria pouso forçado.
Helicóptero foi usado no resgate de feridos; copiloto foi levado para UPA. (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)Helicóptero foi usado no resgate de feridos; copiloto foi levado para UPA. (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

RESGATE DOS FERIDOS
O Coronel Hudson Farias de Oliveira, do Corpo de Bombeiros, informou que os feridos foram levados em quatro carros dos bombeiros e ao menos um deles foi resgatado de helicóptero.

Segundo o coordenador do Samu, Eduardo Cury, o copiloto foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Universitária.
MODELO DO AVIÃO
Segundo a Aeronáutica, o avião envolvido no acidente é um Embraer, modelo 820C, matrícula PT-ENM. A aeronave pertence à empresa MS Táxi Aéreo.
O avião estava com a documentação regular, segundo registros disponibilizados no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A inspeção anual de manutenção tinha validade até 12 de junho de 2015.
INVESTIGAÇÃO
Um helicóptero da Base Aérea de Campo Grande foi deslocado para apoiar nos trabalhos e acompanhar a investigação. No fim da manhã, técnicos do Seripa 4 já foram enviados para realizar a perícia e conduzir as apurações.
Embraer 820 (Foto: Divulgação/Embraer)Modelo Embraer 820, do mesmo tipo que fez pouso forçado em MS. (Foto: Divulgação/Embraer)
GRAVAÇÕES DE ESTRELAS
A apresentadora Angélica e a equipe estavam em Mato Grosso do Sul  para realizar gravações para o programa Estrelas, da TV Globo. De acordo com o GShow, a apresentadora grava nova temporada especial no Pantanal.

A produção levou convidados para apresentar receitas locais, realizar safári fotográfico e conduzir apresentações musicais. Rodrigo Simas, Daniel Rocha, Cristiano Araújo, Munhoz & Mariano foram alguns dos convidados.

Nas redes sociais, o casal registrou a viagem. Angélica publicou em sua conta no Instagram que estava a caminho de gravações no Pantanal na terça-feira (19). "Partiu!", escreveu.
Acompanhando Angélica, Luciano Huck publicou fotou da apresentadora no Pantanal na sexta-feira (22). "Minha pantaneira", brincou. E no sábado (23), o apresentador colocou no ar um vídeo da paisagem do local. "Que lugar lindo", afirmou.
Luciano Huck publicou foto de Angélica no Instagram gravando programa "Estrelas" no Pantanal na sexta-feira (22) (Foto: Reprodução/Instagram)Luciano Huck publicou foto de Angélica no Instagram gravando programa "Estrelas" no Pantanal na sexta-feira (22) (Foto: Reprodução/Instagram)
Angélica entrevista Munhoz e Mariano. (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)Angélica entrevista Munhoz e Mariano. (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)
  •  
Angélica entrevista os atores Rodrigo Simas e Daniel Rocha. (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)Angélica entrevista os atores Rodrigo Simas e Daniel Rocha. (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow

Avião com Angélica e Luciano Huck faz pouso forçado em MS

Bimotor levava 9 pessoas: filhos, babás e tripulação também não se feriram.
Incidente ocorreu perto da rodovia MS-080, a 30km de Campo Grande.

Graziela Rezende Do G1 MS
Uma aeronave de pequeno porte fez um pouso forçado na manhã deste domingo (24) na área de uma fazenda a cerca de 30 km de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.
Estavam no bimotor o casal de apresentadores Angélica e Luciano Huck, acompanhado dos três filhos e de duas babás. A tripulação era composta por um piloto e um copiloto.
Segundo a assessoria da Santa Casa de Campo Grande, Angélica sofreu escoriações. Todos passam bem e seriam submetidos a exames de raio-X.

O acidente
De acordo com o Corpo de Bombeiros e com a Aeronáutica, o pouso forçado ocorreu em uma propriedade nas imediações da rodovia MS-080, na saída para a cidade de Rochedo.

A aeronave tinha decolado de Estância Caimam, em Miranda, perto de Bonito, e seguia para Campo Grande.
Perto da aproximação para o pouso, às 10h52, o piloto avisou à Torre de Controle em Campo Grande que estava em situação de emergência e que faria pouso forçado.

Segundo o Coronel Hudson Farias de Oliveira, do Corpo de Bombeiros, nove passageiros ficaram com escoriações leves e alguns foram transportados para a Santa Casa de Campo Grande em carros particulares.
Outros, no entanto, foram levados por quatro carros de resgate dos bombeiros e ao menos um deles foi resgatado de helicóptero. "Não há vítimas fatais", disse ao G1 o coronel.
Modelo do avião acidentado
Segundo a Aeronáutica, o avião envolvido no acidente é um Embraer, modelo 820C, matrícula PT-ENM. A aeronave pertence à empresa MS Táxi Aéreo.
Ainda segundo a Força Aérea, todas as pessoas que estavam na aeronave foram socoridas sem ferimentos graves.
Investigação
Um helicóptero da Base Aérea de Campo Grande foi deslocado para apoiar nos trabalhos e acompanhar a investigação. No fim da manhã, técnicos do Seripa 4 já foram enviados para realizar a perícia e conduzir as apurações.
Embraer 820 (Foto: Divulgação/Embraer)Modelo Embraer 820, do mesmo tipo que fez pouso forçado em MS. (Foto: Divulgação/Embraer)
Gravações do Estrelas no Pantanal
A apresentadora Angélica e a equipe seguiram para Mato Grosso do Sul na terça-feira (19) para realizar gravações para o programa Estrelas, da TV Globo. De acordo com o GShow, a apresentadora grava nova temporada do programa no Pantanal.

A produção levou convidados para apresentar receitas locais, realizar safari fotográfico e conduzir apresentações musicais. Daniel Rocha, Cristiano Araújo, Munhoz & Mariano foram alguns dos convidados.
Luciano Huck publicou foto de Angélica no Instagram gravando programa "Estrelas" no Pantanal na sexta-feira (22) (Foto: Reprodução/Instagram)Luciano Huck publicou foto de Angélica no Instagram gravando programa "Estrelas" no Pantanal na sexta-feira (22) (Foto: Reprodução/Instagram)
Angélica entrevista Munhoz e Mariano. (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)Angélica entrevista Munhoz e Mariano. (Foto: Gabriel Nascimento/Gshow)

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Academia da Força Aérea celebra nesta quinta (21/05) o Dia do Instrutor de Voo

A data foi instituída em 1998, quando foi atingida a marca de um milhão de horas de voo de instrução
Publicado: 21/05/2015 16:14h

Fonte: AFA
  Dedicar-se à formação dos futuros oficiais aviadores da Força Aérea Brasileira (FAB) nas mais diversas missões que ela cumpre para manter a soberania aérea do país. É essa a missão dos atuais 126 instrutores de voo da Academia da Força Aérea (AFA) nos dois esquadrões de instrução aérea. Nesta quinta-feira (21/05), a AFA homenageia o instrutor de voo. A data foi instituída em 1998, quando foi atingida a marca de um um milhão de horas de instrução, número que hoje já ultrapassa 1,5 milhão.
Responsável por cerca de 20% de todos os voos diários realizados pela FAB, o instrutor de voo tem o papel de dar ao cadete desde os primeiros passos na aviação até a sua formação como piloto militar. Para isso, a AFA realiza, em média, 150 pousos diários, totalizando, ao ano, uma média de 30 mil horas de voo, sendo a grande maioria de instrução.
O Tenente Aviador Alfonso Bittencourt Filho explica que cada instrutor realiza até três voos diários e, entre a instrução teórica antes do voo (chamada de briefing), e pós-voo (debriefing), cada instrução aos 233 cadetes do segundo e quarto ano da AFA dura cerca de três horas entre briefing e debriefing. “A rotina do cadete aviador exige que ele chegue antes do nascer do sol ao esquadrão de instrução e, antes dele, os instrutores já estão no local”, explica o tenente.
Seguido como modelo e referência, a relação entre instrutor e cadete deve ser de confiança e cumplicidade no voo, pois a atividade fica confiada à experiência do instrutor e à capacidade de aprendizagem do cadete. O Tenente-Coronel Aviador Afonso Henrique Junqueira de Andrade Junior, com 13 anos de instrução de voo, é o oficial aviador da ativa com o maior número de horas de instrução, mais de 3.500.
Na sua visão, a formação do recurso humano na FAB é elemento essencial para o cumprimento de sua missão, por isso, não só o exemplo da técnica basta, m  as, também, moral e caráter. “O instrutor é o oficial mais avaliado, pois o cadete busca nele um modelo. Os cadetes merecem o melhor que podemos oferecer”, afirma o Tenente-Coronel Afonso Henrique, que é chefe da Subdivisão de Instrução de Voo da Academia.
Os coronéis aviadores instrutores da reserva são o exemplo da importância da experiência de voo para a formação do cadete. O Coronel Aviador Marcio Cesar dos Santos, formado em 1979, está na reserva há seis anos, porém, voltou para Pirassununga (SP) para novamente ser instrutor. Atualmente, acumula 2.500 horas e é o oficial com a maior quantidade de horas de voo no 2º Esquadrão de Instrução Aérea (2º EIA), onde os cadetes do segundo ano têm seu primeiro contato com a aviação.
“Muitos chegam sem nunca terem voado antes. Aqui podemos acompanhar todo o progresso do cadete, por isso, gosto de atuar na instrução primária. Com o tempo, adquirimos mais paciência e experiência, importantes para transmitir aos cadetes a sensação e sentimentos necessários para o voo”, afirma o instrutor padrão de 1983, ano em que serviu pela primeira vez na AFA.
A dedicação empregada pelo instrutor é percebida também pelos cadetes aviadores, como o Cadete Tales Pimenta, do quarto ano. “Futuramente me lembrarei dos meus instrutores como oficiais abnegados, que acordavam antes mesmo de nós, para darem asas aos seus alunos”, disse.

Esquadrões de caça treinam combate aéreo na Base Aérea de Anápolis (GO)

Exercício inclui técnicas utilizadas por unidades aéreas da OTAN
Publicado: 21/05/2015 11:11h

Fonte: Agência Força Aérea
  Sgt Amaral Duarte/BAANCerca de 300 militares e 30 aeronaves de diferentes aviações da Força Aérea Brasileira estão envolvidos no exercício BVR realizado na Base Aérea de Anápolis (BAAN), em Goiás. O treinamento conjunto, que se encerra em 03 de junho, tem o objetivo de instruir as unidades de defesa aérea na doutrina de combate além do alcance visual (BVR, do inglês Beyond Visual Range), em situações onde os pilotos empregam mísseis de maior alcance que os mísseis infravermelhos usuais.
“As técnicas estão de acordo com as utilizadas atualmente pelas unidades aéreas que fazem parte da OTAN”, explica o coordenador do exercício Coronel Aviador Raimundo Nogueira Lopes Neto.
A cada edição, os coordenadores adicionam novos desafios, que tornam o cenário de conflito mais complexo, permitindo evolução e aprimoramento das técnicas treinadas pelas tripulações. Além disso, segundo o coordenador, é uma oportunidade de difundir e padronizar as doutrinas de combate mais modernas para todas as unidades aéreas da FAB. Serão treinadas missões de combate aéreo, controle e alarme em voo, reabastecimento em voo, escolta e defesa antiaérea.
Uma das novidades desta edição é o emprego da aeronave de reconhecimento R-35. Aeronaves de caça escoltam este avião, responsável por gerar informações de reconhecimento, respondendo aos fatores impostos por um possível cenário de crise. A área de instrução, onde os voos são realizados, também foi remodelada pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). “Foram feitos todos os arranjos para desviar do tráfego civil”, explica o coordenador.  Sgt Amaral Duarte/BAAN
Controladores de tráfego aéreo, alocados no Primeiro Centro de Operações Militares (COPM 1) do Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 1), também participam do exercício. “Eles são integrantes fundamentais da missão”, destaca o coronel. Os profissionais assistem aos briefings e debriefings em conjunto com os pilotos, por meio de videoconferência, para testar a capacidade de enlace de comunicação com vídeo provida pelo Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1º GCC).
Antiaérea - Em 2014, o Segundo Grupo de Defesa Antiaérea (2º GDAAE) participou da BVR para realizar treinamentos do sistema IGLA. Neste ano, o Núcleo do Terceiro Grupo de Defesa Antiaérea (Nu3GDAAE) da BAAN terá a oportunidade de treinar com o 2º GDAAE. Considerando que Exército e Aeronáutica utilizam o sistema de míssies IGLA, os grupos de defesa antiaérea da FAB estarão participando juntamente com a Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro no Exercício Operacional BVR. Eles poderão treinar engajamentos com as aeronaves que participam da BVR.
  Sgt Amaral Duarte/BAANUnidades aéreas - Realizada desde 2012, a BVR ocorre mais de uma vez ao ano. A Base Aérea de Anápolis é geralmente escolhida para sediar o exercício por dispor de pista exclusivamente para uso militar. Nesta edição participam as seguintes unidades: Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA), Esquadrão Pampa (1º/14º GAV), Esquadrão Pacau (1º/4º GAV), Esquadrão Flecha (3º/3º GAV), Esquadrão Carcará (1º/6º GAV), Esquadrão Guardião (2º/6º GAV), Esquadrão Gordo (1º/1º GT) e Esquadrão Pelicano (2º/10º).




terça-feira, 19 de maio de 2015

Voo é cancelado após duas tentativas de decolar em Montes Claros

Passageiros viveram tensão após segunda tentativa, quando luzes de aeronave se apagaram de repente; Azul lamentou o ocorrido



PUBLICADO EM 19/05/15 - 21h11
Passageiros de um voo da Azul Linhas Aéreas, que sairia do aeroporto de Montes Claros, no Norte de Minas, com destino a Belo Horizonte, no fim da tarde desta terça-feira (19), passaram por momentos de tensão após a aeronave em que eles estavam apresentar problemas técnicos e o piloto retornar à pista após duas tentativas de decolar. Na segunda tentativa, de acordo com passageiros que estavam no voo, as luzes do avião se apagaram de repente.
"O voo estava previsto para às 17h. Antes do embarque, fomos informados de que iria ter um atraso. Dentro da aeronave, demoramos mais 30 minutos para decolar. Em seguida, o piloto explicou que estava havendo um problema técnico e que iria retornar para resolver o problema", relatou a engenheira Gabriela Brant, de 25 anos, que estava na aeronave.
"Os passageiros foram acionados novamente pela empresa para o embarque às 19h30. Eles garantiram que o problema havia sido resolvido. Após o embarque, quando a aeronave havia se dirigido para a pista de decolagem, as luzes desligaram. A partir daí, aguardamos e o comandante explicou que devíamos desembarcar definitivamente e que o voo tinha sido cancelado", contou a passageira.
Solução
A Azul, responsável pelo voo, tenta reacomodar os passageiros em um voo para capital ainda nesta terça. "Eles informaram que há uma aeronave que  irá chegar ao aeroporto às 23h e que talvez poderíamos retornar ainda hoje. Caso contrário, quem preferir voltar de avião para BH só terá voo disponível para a próxima quinta-feira (21)", explicou Gabriela.
A outra opção para os passageiros é retornar para a capital ainda nesta terça em um ônibus de viagem. "A empresa já começou a classificar os passageiros de acordo com a opção deles", disse a engenheira.
Cancelado
Em nota, a Azul confirmou que houve um problema técnico na aeronave e lamentou o ocorrido. "Os Clientes estão recebendo toda a assistência necessária de acordo com a resolução 141 da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e serão reacomodados em outros voos da empresa. A companhia lamenta o ocorrido e ressalta que ações como essa são necessárias para conferir a segurança de suas operações", diz o comunicado.
Veja o vídeo que mostra os passageiros após o segundo desembarque:

Atualizada às 21h31